sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

O VERDADEIRO NATAL

Mensagens natalinas se espalham nesta época. O tema “natal” toma conta do ambiente. Nas vitrines maravilhosamente bem arrumadas as árvores os enfeites natalinos são o centro, lado a lado com os produtos a serem comercializados. O natal é o tema, o motivo, mais um motivo para o comércio. E temo que tenha se tornado só isso: mais um motivo para as pessoas consumirem produtos, comprarem, venderem, presentearem, festejarem, beberem, descansarem, e tudo mais que vem junto com estas festas de final de ano.


É impressionante como temos a capacidade de tornar coisas profundas e de reflexão em meros jargões. Falamos e repetimos frases e frases das quais não temos nem noção do que realmente expressam. Fico pasmo quando recebo mensagens de “feliz natal”. Fico pasmo ao pensar que ao dizer Feliz Natal, na verdade as pessoas não se dão conta que estão dizendo em outras palavras: “Alegre-se, Jesus nasceu!”. Pois o natal nada mais é do que uma festa de aniversário, da qual o aniversariante é o próprio Filho de Deus.



Nos dias atuais as pessoas não querem parar para perceber isso, mas o sentido do Natal é que somos tão pecadores, tão desonestos, tão maldosos, tão perversos, tão obcenos, tão tudo de ruim, que Deus fez nascer entre nós o seu filho, para nos pregar a bondade, nos ensinar a amar, nos mostrar como viver, e por fim morrer um morte que deveria ser nossa, morrer por nossos pecados.



Dizemos Feliz Natal, estouramos champanhe, foguetes, bebemos, brigamos, falamos mal dos outros, fazemos uma competição de beleza e achamos que está tudo bem. Natal é isso mesmo, comer e beber até ficar mal. Natal é isso mesmo, chegar na praia sedo a qualquer custo, brigando no transito, ultrapassando, matando.



O mais impressionante nisto tudo é que a humanidade não está inovando em nada. Nós agimos como sempre agimos. Isso me remete a um natal de aproximadamente 2010 anos atrás. Era tardinha numa aldeia do oriente médio. Um casal se deslocava lentamente sobre seu jumento. Um homem e uma mulher pobres, percebia-se pelas suas vestimentas. A mulher estava grávida, para piorar. A noite chegava e estes viajantes começaram a procurar um lugar para dormir. Bateram em muitas portas, ouviram uma quantidade gigantesca de nãos. Hoje não dá! A casa ta cheia! Estamos em festa! Estou muito ocupado para receber hóspedes! Sou pobre de mais! Sou rico demais! Não tem lugar! As desculpas eram muitas e das mais variadas.



O casal acabou por encontrar um lugar onde poderia passar a noite, tratava-se de um estábulo. Dividiram o espaço com as vacas, as ovelhas, as galinhas, os cavalos. E foi ali, neste humilde lugar, excluído de qualquer conforto que nasceu o Filho de Deus. Foi ali que Jesus iniciou sua trajetória. Deus enviou um presente à humanidade, mas as pessoas o rejeitaram desde o nascimento. Jesus nasceu excluído. E por isso posso dizer que nem Ele e nem eu ficamos impressionado com o fato de que novamente estão o excluindo, agora de seu próprio aniversário.



Comemoramos o Natal, mas nos esquecemos de que este evento deve ocorrer dentro de nós: Jesus quer nascer dentro de você! Ele quer morar em você! E nesta noite natalina Ele está batendo na porta dos corações, procurando lugar para nascer, para entrar e fazer morada, para iluminar, para trazer paz, e – queira você ou não – para mudar sua vida.



Agora é o próprio Cristo que te faz o convite: “Eis que estou à porta e bato; se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele, e ele, comigo.” (Apocalipse 3.20)




Cá estamos nós, prestes a comemorar mais um Natal, e fazendo tudo como sempre fizemos. Mas Cristo veio para nos ensinar um outro jeito de ser. Perceba, nas palavras do próprio Jesus como estamos comemorando o Natal de forma errada. Vou listar aqui algumas situações e as palavras de Jesus sobre estes assuntos:



· Antes de se reunir para comemorar o Natal as pessoas se preocupam com a roupa e os adornos que irão vestir, fazem deste mais um momento para tentar superar as outras em beleza e moda e ostentar o que conquistaram.



“Ai de vocês (...), hipócritas! Pois são semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos mortos e de toda a imundícia”. ( Mateus 23.7).


Por isso vos digo: não vos preocupeis com vossa vida, (...) nem com vosso corpo, pelo que haveis de vestir: não é (...) o corpo mais que a roupa?” (Mateus 6:25)



· As festas de natal tornam-se momentos onde as pessoas fazem fartos banquetes e não se preocupam com o que está acontecendo com as pessoas que, lá fora, estão até passando fome. É uma festa entre pessoas da mesma classe social, ricos e pobres não se misturam no Natal, assim como não se misturam na vida cotidiana.



“Respondeu Jesus: Se queres ser perfeito, vai, vende teus bens, dá-os aos pobres e terás um tesouro no céu.” (Mateus 19:21)


Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e furtam. Mas acumulem para vocês tesouros nos céus, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração.” (Mateus 6:19-20)



· O Natal muitas vezes se torna um momento onde estão reunidas pessoas que nem sempre estão em afinidade. Nas famílias, muitas vezes a festa torna-se discussão e até briga, regada à bebidas alcoólicas, que contribuem para que as pessoas de exaltem e discutam.



“Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mateus 22:39)


“Aprendam comigo porque sou bondoso e tenho um coração humilde, e vocês encontrarão descanso.” (Mateus 11:29)



Por Dionísio Hatzenberger


dionisiofh@hotmail.com

Um comentário:

aparecida vale disse...

Nas páginas das escrituras o que se pode encontrar sobre a data do nascimento do Senhor são os fatos relatados por Lucas5, o qual refuta incisivamente e por si só a tradição que põe o nascimento do Senhor Jesus para o mês equivalente a dezembro, pois o escritor sacro afirma que no momento em que cristo nasceu, os rebanhos estavam nos campos e eram guardados pelos seus pastores. Logo, jamais seriam encontrados ali se fosse dezembro6, pois era inverno, chegando a nevar em algumas regiões.7 Sendo assim, qual seria a razão para se comemorar o nascimento de Jesus numa data tão improvável?
Sabe-se que pelo menos nos três primeiros séculos da era cristã, o nascimento de Jesus não era comemorado. Só depois do ano 350 o natal passou a ser adotado no ocidente como uma festa cristã8 comemorado no dia 25 de dezembro. Na verdade, essa data era o dia da celebração pagã do “sol vitorioso” Dies Natalis Invicti Solis9, homenagem aquele que deveria ser invocado a fim de se obter o calor por ele emanado que se achava em algum lugar do espaço acima dos percalços do frio invernoso.
Um decreto do Papa Júlio I, estabeleceu a substituição da veneração ao deus sol pela data em que teria nascido Jesus o Salvador10. Assim o dia 25 de Dezembro foi “cristianizado,”ou seja, o paganismo adentrou no Cristianismo pela porta da frente, com toda anuência da sua autoridade maior.
Se Jesus não nasceu em dezembro, e ordenou tão somente a celebração da sua morte, e, observando-se o verdadeiro holocausto produzido na comemoração do aniversário que definitivamente não é o seu; onde os símbolos natalinos nada tem haver com o genuíno espirito cristão, baseando-se em elementos do esoterismo; uma festa na qual se ensina aos infantes dirigirem suas petições ao papai noel, confiando os seus sonhos de criança ao inexistente. Como há de se extrair adoração verdadeira ao Senhor nessa data? se a festa natalina e tudo o que a rodeia está saturado de mitologias pagãs e esotéricas, ou seja, uma homenagem de mentira ao senhor da verdade.
Seria o natal uma verdade histórica ou engano pagão? Responda você mesmo!

Assista o Novo Documentário do Internexo: "FAÇA A ESCOLHA CERTA: NÃO USE DROGAS"

Documentário Parte 2

Documentário Parte 3

Documentário Parte 4

Documentário Parte 5

Testemunho de Rodolfo - Ex integrante da Banda Raimundos